Magia de Carnaval

Eu sei que não é todo mundo que entende o poder de comoção de uma escola de samba. E lamento. É pura arte. O maior espetáculo do planeta, realmente. Quem me conhece sabe que eu amo. Desde criança, o que eu mais gostava no Carnaval era ir à concentração das escolas ver os carros alegóricos na rua. Eu ficava absolutamente encantado com aquilo tudo. Na época, apenas sonhava em um dia assistir aos desfiles lá dentro da Sapucaí. E foi um passo após o outro até que isso acontecesse. A primeira vez que fui, minha mãe não tinha as informações e ficamos na arquibancada popular, já na dispersão – muito ruim. Depois, fui ao desfile das escolas mirins, em outro ano entrei para o desfile do grupo de acesso… Já era grande quando vi pessoalmente minha Beija-Flor, que eu sempre assistia só pela TV. Foi uma emoção inexplicável, e sempre que vou à Sapucaí sou tocado de alguma maneira, seja desfilando ou curtindo.

Continue lendo

Vi nada não

Carnaval de 2005. Um amigo ia desfilar na Imperatriz Leopodinense. Tenho uma grande implicância com essa escola, por ter vencido a minha Beija Flor alguns anos seguidos, mas naquele ano eu sabia o samba da Imperatriz de cór. Tipo de coisa que a gente faz pelos amigos.

Foi um Carnaval muito louco. Nada de fantasias, gente caindo bêbada, fazendo xixi na rua e se comendo em público. Foi um Carnaval virtual, minha gente. So geek. Péssimo. Reunimos uma galera numa conferência no MSN para assistir e comentar os desfiles ao vivo. Coisa fina. Trakinas numa mão e teclado na outra. Todo mundo ansioso pra ver o garoto no desfile na Imperatriz. E nada do desfile começar. Rolou uma confusão com o desfile da Portela que acabou atrasando tudo. Foi um auê.

Terminada a confusão, iniciou o desfile. Galera no MSN já caindo de sono. Esse negócio de Trakinas não deixa você ligadão não. E aí já não lembrávamos: ele viria no segundo ou no terceiro carro alegórico? Uns diziam segundo, outros diziam terceiro. Adoro confusão. Melhor era ficar atento ao desfile todo.

Sei que o desfile ia passando e nada do nosso amigo aparecer na telinha da Globo. O negócio tava ficando chato. Eu não aguentava mais cantar aquele samba que nem da minha escola era. Fui na cozinha beber uma água. Quando voltei, só vi isso no MSN:

Mariazinha diz: Ele apareceeeeeeeeeeeeeeeu!
Joaninha diz: Olha lá eleeeeeeeeeee!
Pedrinho diz: Agoooooooora!
Claudinho diz: Viraaaaaaaaaaaam?
Leonardo diz: Vi nada não.

Sem mais publicações