O paraíso tava logo ali e eu desconhecia…

20131109_110016

Fui a Búzios no último fim de semana. Pela primeira vez. Aos 24 anos. Essa era uma das vergonhas que eu tinha como carioca: nunca ter visitado essa cidade. Passei a infância indo a Rio das Ostras e a Arraial do Cabo, mas nunca havia esticado até Búzios. Afinal, eu era uma criança. Não tinha autonomia, nem culpa. Digo até que nem interesse. Mas cresci, e passei a ter.

Águas passadas, de qualquer forma, porque, como eu disse, eu finalmente estive em Búzios. E fiquei encantado. Maravilhado. As praias são indiscutivelmente lindas, até para mim que não sou muito fã de praia. Nunca fui, na verdade. Mas daquelas lá, eu virei fã. Areia limpa, mar cristalino, brisa boa. É tudo muito bem preservado. Galera bonita e educada.

E tem a Orla Bardot, a Rua das Pedras… Que delícia passear por ali! Eu fiquei hospedado em uma pousada naquela região do centro, então passava por ali toda hora. Recarrega as energias ter aquela paisagem, aquela vibe, te envolvendo. Eu nunca pensei em ter casa de veraneio, já que não sou do tipo praiano, mas morri de vontade de ter uma casinha em Búzios. Durante os dias que passei lá, eu só conseguia pensar que queria voltar todo fim de semana. Estar lá, para mim, foi como dar uma grande desacelerada. Eu sabia que estava necessitado desse momento de pausa, mas não imaginava o QUANTO precisava disso. Búzios recarrega as energias, e é o mais próximo de paraíso que eu conheci. Deixou Angra dos Reis e Viña del Mar para trás (é engraçado que eu não goste de praia, mas admita que as cidades mais bonitas são as que vivem de praia).

Lá eu conheci o verdadeiro significado de cidade turística. Não é como o Rio de Janeiro, que também é tida como uma cidade turística. Em Búzios, parece que todo mundo é turista, que todos estão de passagem. São tantos sotaques, tantos idiomas, tantas origens, que é difícil acreditar que alguém mora mesmo lá. Mas aí eu tive a oportunidade de conversar com um nativo, e ele me mostrou outro lado da história.

– Que sorte morar nesse paraíso!
– Ah, você enjoa…
– Como assim? – choquei – Não tem do que reclamar!
– Búzios é legal para vir e ir embora. Morar aqui é tedioso.

Insatisfeito com as declarações, busquei argumentos contrários na minha imaginação. “Tem gente do mundo inteiro aqui… Dá para conhecer muita gente… Tédio?”. Mas ele logo me explicou que não era bem assim. E é óbvio. Eu não queria ver, de tão apaixonado que estava, como turista. Búzios, por exemplo, tem só uma sala de cinema – com uma ou duas sessões por dia, e não é todo dia. A programação se limita de quinta a domingo, com dois filmes em cartaz. Isso é um problema para mim… claro! Em termos de programação cultural, aliás, é tudo muito precário.

Entendi o que ele me disse. Repito: Búzios é o verdadeiro significado de cidade turística. Isso porque ela é feita para os turistas – e apenas para eles. O foco é quem está em trânsito, e não quem a habita, aparentemente. As praias, os passeios de barco, as lojas da Rua das Pedras… é tudo muito interessante para quem está de visita. Para quem mora, perde-se o interesse mesmo. Mas eu sou turista, né. Então, sigo enamorado…

Uma resposta para O paraíso tava logo ali e eu desconhecia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s