Tem zumbis no meu bairro

Quando eu era criança, via muito cocô de cachorro na rua. Pela TV, incentivavam os donos de cães a removeram as fezes com sacos plásticos. Nunca acreditei que isso funcionaria. Mas funcionou e hoje é uma realidade. Mesmo assim, havia ainda os cachorros de rua, que eram muitos aqui no meu bairro. Não sei o que houve, mas atualmente não os vejo mais. O Lins de Vasconcelos se livrou das fezes caninas.

O mau cheiro, no entanto, aumentou. Ainda há cocô na rua, só que não mais de cachorros. Agora, pasmem, são fezes de zumbis, muito piores. Diferentemente dos cães, não havia zumbis no Lins antigamente. Isso é novidade no bairro. Primeiro veio um, depois outro, e logo o bairro estava infestado. Virou The Walking Dead.

Não digo que o Lins era uma maravilha. Sempre foi um bairro humilde, de pessoas simples, mas decentes. Havia, claro, os barbeiros dirigindo na contramão e os bêbados nos botequins. Mas também habitavam Roberto Carlos e Denise Fraga. Ao redor, favelas de violência moderada. As comunidades eram, para mim, apenas o habitat de gente mais pobre do que eu, e não o esconderijo de bandidos. Agora, temos zumbis. Agora, viramos o Complexo do Lins, como o do Alemão.

O problema é complexo. Ninguém tem zumbi de estimação. Ninguém tem carinho por zumbis, no máximo piedade e compaixão. Nenhum humano vai querer limpar as fezes deles na rua. A sorte dos moradores aqui do bairro é quando há uma tempestade, que dá uma lavada nas ruas. Mas temos que estar dentro de casa, porque lá fora…

Dizem, aliás, que os zumbis tiveram casas em tempos remotos. Falam também que, antes de infestarem o Lins, eles destruíam outros bairros. Mas as chamadas UPPs os colocaram em vida cigana. Zumbis ciganos, de um lado para o outro, buscando o oposto da paz. É um direito deles, desde que não impeçam os outros de tê-la. Cocô na rua impede.

Aqui, torcem pela chegada da UPP para que eles migrem para outra área. Mas isso é varrer a poeira para debaixo do tapete. Assim como não foi justo conosco, não seria com as próximas vítimas da poeira, do cocô e dos zumbis. A política fede – e isso não é um ataque, só um grito de socorro. O que teremos que fazer, afinal? Cães não aprenderiam a limpar as fezes dos seus donos. O crack também não limpará as dos zumbis.

3 respostas para Tem zumbis no meu bairro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s