O dia em que casei meus amigos

O título está certo e não é nenhuma espécie de brincadeira. Deixe-me explicar como tudo aconteceu: era a véspera do casamento da Jeanne e do Ramón e eu já estava ansioso o suficiente. Seria a primeira cerimônia que eu assistiria – desconsiderando a da Carol e do Carlinhos, que foi no dia seguinte do fim do meu namoro e eu não estava no meu melhor estado. Tinha certeza que tudo seria lindo e queria que ocorresse logo. Mas a noiva preparou uma surpresa para mim: às 23h, me avisou que eu seria o mestre de cerimônia. Opa!

É verdade que ela já havia me sondado antes, muito antes, mas como não havia voltado a falar mais nada, não dei bola. De repente, o assunto estava de volta, em cima da hora. “Não se desespere”, ela me disse. Foi o que fiz: não me desesperei, afinal eu mal sabia o que um mestre de cerimônia significava. Pedi instruções.

– Te aviso em breve. O quanto antes te explico. – como toda noiva, estava atolada.

Em breve seria a cerimônia, vale lembrar. Estava marcada para às 19h do dia seguinte.

– Tudo bem. Tudo vai dar certo. Se não der, deixo seus convidados rirem de mim.

O quanto antes foi às 13h do dia seguinte, quando Jeanne me passou um texto chamado “Promessas de Casamento”, da Martha Medeiros, para que eu lesse na cerimônia. Ok. “Fácil”, pensei. O texto é muito legal mesmo e, aliás, deveria ser lido em todos os casamentos (leia aqui). Mas seria só isso? “Não, tem mais”, ela me falou. Claro que tinha.

Vale uma explicação: os noivos, que já haviam se casado na Suíça, optaram por uma celebração sem vínculo religioso aqui no Brasil. Não haveria padre, pastor ou pai de santo. Neste caso, o mestre de cerimônia ocuparia essa vaga – a de ficar lá na frente o tempo inteiro, conduzindo o evento. E o mestre de cerimônia era eu, que ainda tinha que escrever dois textos, uma introdução e um encerramento, e se possível ensaiar.

Só que não havia tempo! A festa era em Maricá – outra cidade – e eu tinha que correr para Niterói – outra cidade também, no meio do caminho – para me arrumar e encontrar minha amiga que me daria uma carona. Quando recebi as instruções, aliás, estava de saída. Foi no caminho Rio-Niterói que desenvolvi minha estreia e a ficha começou a cair… Eu não assistiria a mais nada, eu faria parte da coisa toda. Surreal.

Acabou que outras incumbências apareceram até a hora H e, na verdade, me diverti muito participando de tudo. É verdade, não tive tempo para ensaiar. Do nada, estava lá na frente, com todos sentados à minha frente (embora eu não os visse, sem óculos), esperando a noiva. Que emoção! Comecei assim:

casamento jeanne e ramon

“Boa noite! Conheço alguns de vocês, mas não a maioria. Meu nome é Leonardo Torres e a Jeanne e o Ramon me escolheram para conduzir a cerimônia ontem à noite. Sei o que vocês estão pensando: que sou uma espécie de substituto de última hora. Mas não sou, ok? Mesmo sem experiência, aceitei o convite, porque não perderia essa chance de me exibir. Brincadeira. Jamais diria não à celebração do amor, que é o sentimento mais nobre que existe…”

E daí em diante foi só festa. Fiquei mais nervoso antes do que durante o momento, como quase sempre acontece comigo. Graças a Deus, gosto de falar em público e, durante a cerimônia, fui me soltando cada vez mais. Apostei no humor para as minhas declarações, em busca de descontração, e acho que consegui. No fim, muita gente veio me dar os parabéns – pessoas que eu não conhecia, imparciais. Fiquei tão feliz! Orgulhoso de mim e dos noivos.

Nunca imaginei que casaria ninguém. Foi uma dessas surpresas que a vida te prepara e você abraça. Estou tão satisfeito de ter feito parte da história desse casal (foi uma ótima maneira de encerrar o ano!). Disse e repito: vocês já provaram que têm capacidade de construir uma vida de amor juntos. Desejo muita tolerância, paciência, respeito e admiração mútua entre vocês para que essa história continue. “Agora, é com vocês” 😉 Felicidades.

Anúncios

3 respostas para O dia em que casei meus amigos

  1. Carol

    Nossa! n sabia que vc tinha terminado exatamente no dia anterior ao meu casamento…tenso celebrar o amor dos outros qndo naquele momento vc n acredita tanto assim no amor aahahahahaha…mas faz parte…bom que vc deve ter se distraido com a qntidade de bêbados na festa!
    Imagino que casar alguém deva ser mt bom. Um momento tão feliz e emocionante na vida de qualquer pessoa e vc é um dos responsáveis!!
    Parabéns pela nova profissão e felicidades ao casal!

    • Leonardo Torres – Autor

      “Nova profissão” foi tudo! hahahahah E, sim, ir ao seu casamento no dia seguinte do meu término foi talvez a maior ironia da minha vida!

  2. Ai Leo, que legal! Nunca te imaginei casando ninguém. Ainda estou aqui imaginando como seria ter assistido vc de mestre de cerimonias … 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s