Resenha: Sandy – Vivo Rio (+ 4 vídeos)

“Apesar de ser tão claro
Eu não consigo entender
E apesar de ser tão imenso
Cabe em mim
O mundo que você me deu”
(Sandy Leah / Lucas Lima)

Sandy voltou ao Rio de Janeiro com o show da turnê “Manuscrito” no domingo (11/11) e, pelos meus cálculos, esse é o terceiro ano seguido em que ela se apresenta na cidade com o mesmo show, sem tirar nem pôr. Nas outras duas vezes, fui animado. Nesta, titubeei. Comecei a desconfiar de que ela estava se acomodando à ideia de que os fãs pagariam para vê-la independentemente do que estivesse fazendo (no caso, nada novo).

Isso vindo de mim, a pessoa que assistiu com prazer a infinitos shows das mesmas turnês nos últimos dez anos, é engraçado. Eu sei. Meu histórico não permite que eu fale muito, e já entendi que não adianta tentar escondê-lo, porque a maioria dos meus leitores me conhece há tanto ou mais tempo (o que é lindo!). Mas eu falo mesmo assim. Não tem jeito. Achei, de verdade, que Sandy só queria garantir o dinheiro dos presentes do Natal com esse show. Decidi não ir. :O

Logo depois, no entanto, foram lançados a música “Aquela dos 30”, já comentada aqui, e o EP “Princípios, Meios e Fins”. A expectativa era que ela incluísse as músicas novas no show (de fato, ela cantou duas delas). Repensei minha decisão de não ir assistir à Sandy e verifiquei que os melhores ingressos estavam esgotados. Desanimei. Não lembro a última vez que assisti um show dela de longe.

O assunto ficou engavetado até o último fim de semana (antes, estava focado no show da Lady Gaga, que também já postei a resenha aqui), quando comecei a sentir aquela coceirinha. “A quem você quer enganar? Como assim você não vai no show da sua ‘ídola’?” Percebi que essa opção, na verdade, não existia. Nunca existiu. Nunca optei por não ir a um show dela; nunca deixei de ir, de fato. Não existe a menor possibilidade dela cantar e eu ficar em casa assistindo à TV.

No domingo, lá estive eu. Como já disse, Sandy só cantou duas das músicas novas. De resto, a setlist permanece praticamente intacta desde 2010 (senti falta do cover de “Por Enquanto”). Mas, como eu sempre falo, um show nunca é igual ao outro, nem que seja no mesmo dia, em sessões seguidas. Com esse, não foi diferente, e toda minha indecisão anterior pareceu boba quando estava lá, ouvindo-a cantar. Para se ter uma ideia, ela se emocionou durante “Perdida e Salva” – a canção que abre esse post – e, bem, Sandy não é o tipo de artista que perde o controle assim. Como eu poderia deixar isso passar?

Sem brincadeira, Sandy ainda é a voz que eu mais gosto de escutar. Amo os gritos da Adele, a ginga da Amy Winehouse, a suavidade do Jamie Cullum, a inteligência do Fito Páez, enfim, há uma lista grande de cantores que admiro, mas fã eu só sou dessa mulher de Campinas. Ela me emociona, me deixa arrepiado, me deixa feliz. Tenho certeza que muito disso tem a ver com o imaginário do que ela representa para mim, mas tudo isso começou graças ao talento dela, que ainda me comove, mesmo depois de tanto tempo.

– Gostou do show?
– Bom demais.

Quando não é?

Anúncios

Responder a Resenha: Sandy – Vivo Rio (+ 4 vídeos)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s