Eles, a janta e os filhos que nunca nasceriam

Eles chegaram ao apartamento dele, mortos de fome e loucos para cozinhar qualquer gororoba para comer. Ela sabia que não era o momento mais adequado para discutir a relação, mas não se aguentava mais de curiosidade. O futuro era maior que a barriga.

– Você quer ter filhos? – tentou parecer casual, enquanto roía uma unha.
– Não. – ele respondeu tranquilamente.

Ela levou um baque. Por essa, não esperava. A pergunta era apenas a primeira de uma série que ela pensava em fazer, mas a resposta dele automaticamente cancelava todas as outras. Como assim ele não quer ter filhos?

– Não?
– Não.

Ele estava concentrado na dispensa, com a porta do armário aberta, olhando o que poderia ser aproveitado. Macarrão? Molho de tomate? Pão de forma? Biscoitos? Ela estava atrás, desnorteada, se apoiando na pia.

– Nunca? – ela ainda tinha esperanças.
– Não quero ter filhos. Já disse. – por um momento, ele achou que ela estava surda – O que você quer comer?

Como ele podia mudar de assunto assim, tratando os filhos deles como uma trivialidade? Como? Eles já estavam juntos há 1 ano. Tinham mais de 25 anos de idade. Já era hora de pensar nas crianças. Ela também não queria engravidar agora – embora estivesse muito envolvida emocionalmente com o chá de bebê de uma amiga – mas achava necessário pensar no futuro, planejar. Começou a chorar. No início, poucas lágrimas, enquanto ele remexia os itens na dispensa. Depois, abriu o berreiro, se descontrolou.

Ele olhou pra trás, assustado.

– O que houve? – pensou que ela havia se machucado ou algo assim.
– Você não quer filhos! – ela estava com raiva.
– Ah, não. Mas você está chorando por isso? – ele não podia acreditar. Ele queria comer.
– Como você pode fazer isso comigo?
– Eu não tô fazendo nada. – pegou o saco de macarrão na dispensa e se dirigiu ao fogão.
– Você não quer filhos! Nunca! Não quer nem discutir a situação! – ela chorava e tremia de nervoso. Estava decepcionada.
– Eu nunca quis. Isso não está em discussão. – ele estava um pouco assustado com ela. Nunca a tinha visto dessa forma. Parecia que estava conhecendo-a agora.

Ela sentia o mesmo com relação a ele. Embora o namorado não percebesse, estava, de repente, abandonando-a sozinha em um sonho que ela sempre pensou que fosse dos dois: a construção de uma vida juntos. Eles se davam tão bem. Não era natural que pensassem em filhos? Mas o sonho era só dela. Só dela.

Anúncios

Uma resposta para Eles, a janta e os filhos que nunca nasceriam

  1. Seus homens são sempre insensíveis? hahaha
    Mas, de fato, 90% dos homens são assim, né!? Pra quê se importar com filhos se eu ainda nem sei o que vou comer no jantar? E talvez isso seja bem mais importante mesmo. rsrs
    Beijooo

    RESPOSTA DO LÉO – Meus homens não são insensíveis! Só são mal compreendidos… pelas mulheres.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s