Trabalho sobre moradores de rua – Parte 3

E aí que eu resolvi mandar o meu texto sobre os moradores de rua (que eu, particularmente, achei muito bom) para a professora dar uma olhada antes da avaliação final. Ponto alto: Tive a oportunidade de refazer tudo e poder ganhar uma nota boa. Ponto baixo: Tive que refazer tudo, né. Olha o e-mail que ela me mandou, se coloque na minha pele e sinta essa energia raivosa. Em vermelho, as anotações dela.

Moradores de rua da Tijuca são vítimas de preconceito – normalmente o título tem origem no lead, no máximo no segundo parágrafo, vamos pensar em algo melhor durante a edição e após o acerto da matéria

Sentado no parapeito de uma mercearia na Rua Conde de Bonfim, Renato devora a marmita que ganhou hoje. O catarro que escorre do nariz entranha no seu bigode grisalho. Ele está sujo dos pés a cabeça. Tem 35 anos e nenhum emprego. Jura que tem uma casa, no Alto da Boa Vista, mas não sabe dizer a última vez que esteve lá. Seus olhos estão inquietos e vermelhos. Afirma que nunca usou drogas. – isso é mais abertura para revista, para jornal, ainda mais uma matéria tão pequena, vá direto ao ponto.

Dependentes químicos, pacientes psiquiátricos e famílias desalojadas compõem o quadro de moradores de rua da Tijuca. A maioria são adultos e idosos. Segundo a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), eles vêm das favelas da região e permanecem na rua em busca de dinheiro e comida. – isso aqui tem mais ‘cara’ do lead da sua matéria, mas precisa dar uma melhorada. Outra questão: quando fala da secretaria a impressão que se tem é que alguém de lá irá falar sobre o assunto a seguir).

Cláudia Bandeira, 27 anos, estuda Ciências Sociais e mora nas proximidades da Praça Afonso Pena. Para ela, o problema se acentuou nessa área. (creio que essa parte pode ser condensada – lembre-se que temos um espaço e sua matéria está um pouco grande. Ex.: A estudante Cláudia Bandeira, de 27 anos, acredita que o problema aumentou nos últimos anos. – No entanto, tenho algumas questões aqui, principalmente com relação a palavra ‘problema’) “Eu conhecia de vista os mendigos que viviam aqui perto. De uns tempos para cá, apareceram muitos”. Na Internet, ela discute o assunto com seus vizinhos (putz, relacionamento entre vizinho zero né! Parece meio problemática…). A maioria critica e acusa os moradores de rua de vagabundagem e roubos. Ela vai a contramão. “Ninguém é mendigo por opção. Há casos e casos”.

Mariana certamente não escolheu essa vida. Com 31 anos e um filho de dois no colo, ela passa o dia inteiro pedindo 25 centavos para as pessoas. Veio da favela do Jacaré há pouco tempo. “Tenho vergonha de pedir dinheiro lá, porque é onde eu morava”. Até agora não conseguiu emprego. Tentou trabalhar em uma campanha política, mas não recebeu pelo serviço. “E quando pagam, é muito pouco” (é mais fácil pedir né! Cuidado pois a gente chega a essas conclusões…)

Sentindo-se discriminada nas tentativas de trabalhar, confessa que já roubou, mas abandonou os assaltos desde que seu primeiro filho – agora com 13 anos – nasceu. Queria dar bom exemplo. “É melhor pedir do que roubar.” No entanto, a generosidade tijuquense é pouca. Mariana conta que as pessoas tem preconceito e não ajudam muito. “Pensam que eu sou vagabunda, que vou assaltá-los. Me tratam com ignorância.”

Para confirmar o que Mariana diz, tópicos abertos pelos moradores do bairro no Orkut. Neles, são feitas muitas críticas a quem vive na rua. A maioria por passarem muito tempo dormindo. Segundo a nutricionista Lia Madueño, isso tem explicação. Eles comem pouco e o organismo se defende fazendo-os dormir mais para poupar energia. Provavelmente, são desnutridos, o que dá sono. “Mas isso também pode acontecer por ingerir bebida alcoólica em grande quantidade”, afirma a nutricionista. > boa saída para a matéria.

Não dar comida ou esmola, tratá-los mal ou com indiferença não é a solução. Nesse caso, o que pode acontecer é a migração do problema para áreas próximas. Para minimizar a situação, a SMAS tenta encaminhar os moradores de rua para abrigos – mas só vai quem quer. A Secretaria não pode obrigar ninguém a sair da rua.

Algumas medidas já foram tomadas para combater esse mal social, como o aumento do número de vagas em abrigos e de encaminhamentos para cursos profissionalizantes. A idéia é reintegrá-los à sociedade, evitando seu retorno às ruas. A SMAS acredita que possa dar certo: “Esperamos que com as constantes abordagens, a situação melhore.”- quem falou com vc? Dê nomes… a Secretaria é um orgão, mas há alguém que responde por ela… O cidadão – com ou sem casa – também espera. (esse final é conclusivo, não faça!)

Tem como cortar bastante a sua matéria, principalmente ao falar da Mariana. O Renato tb pode entrar no meio da matéria. Como irá sair da abertura, pode alternar com a Mariana e não deixar somente ela como moradora de rua. As contextualizações são boas, mas não essenciais em uma matéria pequena, assim, tente cortá-las.

Anúncios

Uma resposta para Trabalho sobre moradores de rua – Parte 3

  1. ROMERO

    SENHORES, VENHO ATRAVES DESSE E-MAIL, MANIFESTAR MEU REPUDIO CONTRA A CONSTRUÇAO DO VIADUTO RIDICULO QUASE EM FRENTE AO SUPERMRCADO MUNDIAL , NA AV. DAS AMERICAS . O VIADUTO QUE SERA CONSTRUIDO SERÁ IGUAL AOS VIADUTOS ARCAICOS E EXISTENTES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO E QUE SÓ SERVEM PARA MENDINGOS MORAREM EMBAIXO E OS PEDRESTES USAM ELES PARA URINAR. E OS MENDINGOS USAM PARA FAZER O NUMERO 2. O VIADUTO QUE EXISTE EM FRENTE DA RODOVIARIA NOVO RIO , TEM UM CHEIRO INSUPORTAVEL DE URINA .
    SERÁ UM PROJETO BARATO E ARCAICO SEM DESIGN ONDE AS EMPRESAS LEVARAO MILHOES E MILHOES DE DOLARES . CADE A LICITAÇAO DESSE PROJETO, ONDE ESTA O ESTUDO AMBIENTAL DESSE PROJETO ONDE ESTA ESTA O PROJETO PAISAGISTICO ? ONDE ESTA A CONSULTA DOS MORADORES E ASSOCIACOES DA BARRA QUE NAO FORAM CONSULTADOS ?,
    QUEREM ELIMINAR UMA PARTE DO ELEVADO DE FRONTIM NO CENTRO DO RIO ONDE ALEGAM QUE É FEIO , E NUM DOS BAIRROS MAIS BONITOS DO RIO VAO CONSTRUIR UM VIADUTO RIDICULO .
    É POR ISSO QUE O BRASIL NÃO VAI PARA FRENTE , QUALQUER OBRA DE ESTADO OU DE PREFEITURA USAM A COPIA E OS CALCULOS PRONTOS DE PROJETOS BARATOS DE 1910.
    O BRASIL TEM QUE SAIR DESSE RANÇO DO PASSADO . SÃO PAULO FEZ UM VIADUTO COM APOIO ALTISSIMOS UMA PONTE ESTAIADA MODERNA NO RODO ANEL. EM 1961 CONSTRUIRAM BRASILIA COM UM PROJETO LINDO E PAISAGISTICO DE OSCAR NIEMAYER

    VAMOS FAZER IGUAL A DUBAI E CADA OBRA CONSTRUIDA É UMA MARAVILHA DA ENGENHARIA .
    PEÇO AJUDA E SOCORRO DE TODOS , PUBLIQUEM MINHA OPINIAO E COMENTEM ESSE ASSUNTO COM MUITAS PESSOAS DA QUAL OS SENHORES DETENHAM CONHECIMENTO , ATRAVES DE JORNAIS RADIOS ETC ETC , PARA QUE ESSA OBRA SEJA REVISTA E EMBARGADA . E A MESMA SÓ CONTINUE COM AS MUDANÇA PARA UM PROJETO PAISAGISTICO BONITO , E QUE O SENHOR SERGIO CABRAL NÃO ESTRAGUE O PAISAGISMO DA BARRA .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s