Entrevista exclusiva: Bruno Gissoni

O carioca Bruno Gissoni, de 22 anos, agora é Pedro, o novo protagonista de Malhação. Sem muita experiência no currículo – não fez mais do que duas peças de teatro – o novo ator estréia na televisão com a responsabilidade de substituir Fiuk, sucesso da temporada anterior.

Diferente dos seus amigos, ele não foi um adolescente que assistia a novela. Bruno viveu oito anos nos Estados Unidos, onde era jogador de futebol. De volta ao Brasil, jogou em São Paulo e no Rio de Janeiro até que foi convidado para integrar o elenco de“Capitães de Areia”: “Nesta peça, os atores eram capoeiristas. Como eu também sou, a diretora me convidou.”

Desde então, mudou de carreira. Dedicando-se à interpretação, surgiu a oportunidade do teste para Malhação, o qual tirou de letra. Na coletiva de lançamento da nova temporada, contou: “Meu teste foi à tarde e em seguida o diretor pediu para eu ficar o dia inteiro fazendo a cena com as candidatas a Catarina (seu par romântico). Ali eu senti que tinha passado.”

Isso e muito mais ele conta na entrevista exclusiva a seguir.

PLUS TV – Você era jogador e agora é ator. Como foi essa troca?
Bruno Gissoni – Minha primeira experiência como ator foi há uns 2 anos e meio atrás. Estavam produzindo a peça “Capitães de Areia” e os atores deveriam ser capoeiristas. Como eu sou, a diretora me convidou para participar. Não sei se foi a peça, que foi bastante envolvente, ou palco que me fez me apaixonar pela arte, mas me apaixonei. Depois, não parei mais. Já fiz também ‘Os Melhores Anos de Nossas Vidas’, de Domingos de Oliveira.

PLUS TV – Você fez a Oficina de atores da Globo?
BG – Não. Fiz oficina de atores em outra emissora.

PLUS TV – Como foram os testes para Malhação?
BG – Fiz o primeiro teste e o Luiz Antônio – produtor de elenco – me convidou para fazer a segunda fase de testes. Acho que agradei e depois recebi o convite oficial.

PLUS TV – A temporada anterior não teve audiência muito alta, mas despontou a carreira de Fiuk, que se destacou como figura teen. Como é substituir o filho do Fábio Junior?
BG – Acho que é uma responsabilidade grande, porque ele fez bastante sucesso, tem muitos fãs. Mas ao mesmo tempo não dá muito para comparar. Nossos personagens e a história são diferentes.

PLUS TV – Já tem fã na porta do Projac pedindo fotos e autógrafos? Como você encara isso: ganhar fãs da noite para o dia?
BG –
É difícil, porque eu nunca vivi a fama. Mas acho que estou preparado.

PLUS TV – A família tá fazendo festa por você ser o novo galã da Globo?
BG –
Se esse título vier, estou pronto. Mas acho que galã está mais para o Duam Socci ou o Bernardo Mesquita. Eles têm mais pinta de galã do que eu. (risos)

CONHEÇA MAIS:

Nome: Bruno Gissoni
Nascimento: Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1986
Estado civil: Solteiro, mas namorando. “Ela é bastante ciumenta”
Música: “Sou muito eclético para músicas, gosto de tudo. Hip hop me anima muito. Tem uma música que estou escutando bastante atualmente, The club can´t handle me, do David Guetta”
Hobby: “Gosto de jogar capoeira, meu padrasto é mestre de capoeira, treino com ele há anos. Adoro também jogar futebol, futevôlei, comer sushi, pegar um cineminha e uma praia nos finais de semana.”
Sonho: “Ser reconhecido na minha carreira.”

Fotos: Divulgação Rede Globo
Publicado no Portal Plus Tv
http://portalplustv.com.br/celebridades/entrevista-exclusiva-bruno-gissoni/

Sara Bareilles lança ‘Kaleidoscope Heart’ dia 7

Capa do novo CD de Sara Bareilles

Conheci Love Song na comédia romântica O melhor amigo da noiva. Na época, anotei versos da música dentro do cinema para chegar em casa e baixá-la. Viciei. Baixei o álbum – Little voice – inteiro. Viciei também. Busquei por mais e encontrei umas faixas do álbum anterior, Careful Confessions. Sara Bareilles é uma daquelas cantoras que conquistou o meu carinho especial, ao lado de Sandy e Amy Winehouse. Está no seleto grupo de artistas das quais não aceito críticas por acreditar que o talento é inquestionável. Minhas leituras – pessoais ou acadêmicas – são sempre acompanhadas dela. É a trilha sonora dos meus textos: não me desconcentra, não me deixa dormir e me faz bem. Um dos meus objetos de desejo é o DVD Between de lines, que não sei direito porque não comprei até hoje.

Dia 7 de Setembro sai o seu novo álbum de estúdio, Kaleidoscope Heart, com 13 faixas inéditas. Já escutei três das canções e, bem, gostei. King of anything é o single de lançamento e já tem videoclip (acima), onde ela está engraçadíssima. Me pareceu uma música bem comercial com relação ao que eu conheço de Sara, mas é divertida, como o clip.

Procurando pelas músicas novas, encontrei um vídeo da Sara no Billboard.com fazendo um cover de Single Ladies, o hit da Beyoncé, quem eu particularmente desprezo. Não me pareceu dos covers mais felizes (Jamie Cullum com Don’t stop the music, da Rihanna, segue na frente), mas veja você mesmo (estou compartilhador hoje):

 

Promocionando o novo álbum, ela já andou cantando algumas músicas em programas e até shows. Essa que ela cantou no VH1 se chama Uncharted e é mais parecida com o trabalho anterior dela. Curti:

Acabei com o namoro do meu amigo

Climão, climão, climão. Causei confusão na Argentina – e não estou falando da minha dívida no puteiro – e só fiquei sabendo agora. Nos primeiros dias, encontrei em Palermo um amigo meu de lá chamado Adrian. Ele é de Tigre e viajou duras horas só para me ver. Um fofo. Só tinha um porém: seu namorado não podia saber disso, senão não ia entender. Sabe como é: galera não tolera a amiza alheia. Okay. Sigilo.

“Se postar fotos no Facebook, não me marca”. De boa. Postei, não marquei. Mas que que Adrian fez? Comentou na foto. Vocês sabem o que acontece quando você comenta numa foto? O Facebook explana pra todo mundo. Assim:

Ou seja, né. Não deu certo. O cara viu, concluiu merda e planejou um vingança. Me adicionou e eu, que não sabia quem ele era, aceitei. Vi que tínhamos o Adrian como amigo em comum e achei que ficaria chato rejeitar os amigos dos amigos. Bobo. Nem passou pela minha cabeça que ele pudesse ser o namorado. Eu devia ter desconfiado. Carlos Rojas não é nome de gente bem intencionada. O muleque fez uma investigação no meu Face e, obviamente, não encontrou nada importante, mas já estava com a cabeça feita.

Coincidentemente, a semana da ‘descoberta’ era a semana do aniversário de Adrian. Aí você pensa que Rojas deixou a vingança para depois. Que nada. Aniversário = dia perfeito para um escândalo. E assim ocorreu. Entre presentes, abraços e mensagens de feliz aniversário, Adrian recebeu uma surpresa especial do bofe. Foi o seguinte discurso:

– Eu sei de tudo. Você me traiu com aquele brasileirinho idiota.
– Não traí não! Juro!
– Fica tranquilo. Eu te traio há muito mais tempo. Tenho amante, seu corno.

Bem, não sei se o diálogo foi exatamente esse, mas foi assim que eu imaginei com as informações que tive acesso. O namoro acabou… por minha culpa. E nós não fizemos nada demais. Passeamos pelos bosques, comemos garrapiñadas e jogamos conversa fora. Fama sem deitar na cama. E mais: Adrian é super fiel. Fiquei com pena.

“Tudo vale a pena, se a alma não é pequena”

A minha avó é um caso clínico de loucura, então eu fico seriamente preocupado quando percebo semelhanças minhas com ela. Uma delas é a sensação de alívio após colocar para fora tudo o que preciso falar. Não consigo ficar com nada entalado, senão fico angustiado. E Leonardo angustiado = Leonardo de mal com a vida. E isso pode ser levado ao extremo. Te explico.

Posso querer te falar algo, mas não me sentir a vontade para isso, por medo de parecer mané ou algo parecido. Ok. Os anos vão passar, você vai esquecer que eu existo e eu seguirei com o desejo de ter te falado aquilo. Eu sou assim (e o primeiro passo para o sucesso é o reconhecimento disso, assim prefiro falar tudo de cara, para que isso não vire uma obssessão de velho fracassado). Então, algum dia de sua vida, você tá aí tranquilão, entra no Orkut e se depara com mensagens quilométricas minhas dizendo todo o acumulado de anos.

Bem, foi isso que aconteceu. Tive uma amiga de infância, com quem cresci junto e, quando chegou a adolescência, seguimos caminhos distintos. Nos víamos todos os dias, mas os cumprimentos foram ficando escassos até que desapareceram. E eu precisava pedir desculpas e explicar tudo o que tinha acontecido, porque sei que vacilei. Tinha a sensação de que ela pensava o pior de mim e, de verdade, eu me importava com isso. Três anos passaram e nunca mais a vi, mas a sensação de angústia seguiu.

A adicionei no Orkut de novo, ela me aceitou (as coisas não estavam tão más então) e pensei bastante antes de tomar uma atitude. Conversei com o Nico, ele me disse uma coisa, e eu fiz outra (esse é um aspecto que acho que puxei da minha mãe). Deixei cinco ou seis depoimentos – eu falo muito! – explicando tudo o que se passava e pedindo desculpas sinceras. Só de ter feito isso, já senti um alívio. Mas a felicidade veio hoje com a resposta e a sensação de que, apesar de nossa relação ter mudado, o sentimento não. Valeu a pena.

Tô gordo (dessa vez, minha mãe que disse!)

Não sei se eu contei pra vocês, mas a primeira coisa que eu ouvi ao desembarcar no Rio, foi a minha mãe com as seguintes palavras:

– Nossa! Você tá bem! Engordou!

Mas aí eu não entendi. Como assim eu engordei e tô bem? Bem gordo? Fiquei bolado. O tempo passou e hoje ela retomou a pauta:

– Nossa! Você já emagreceu de novo. O que é que a Argentina tem?
– Alfajor.
– Então precisamos de alfajores pra você.
– Tô com uma barriga ridícula, olha. Isso aqui não me pertence.
– Deixa de ser mentiroso, Leozinho. Você tem uma barriguinha sim.

Mamãe, levantando a minha auto-estima há 20 anos.

Prefeitura não divulga cancelamento do show de Madonna em Copacabana e fãs continuam com esperanças de ver a cantora de graça

O show gratuito de Madonna na Praia de Copacabana durante a noite de reveillon deste ano foi cancelado sem alarde. Diferentemente do anúncio do show – quando o prefeito do Rio, Eduardo Paes, divulgou no Twitter e falou a imprensa sobre a conquista – tanto a prefeitura quanto a RioTur, responsável pelo evento de fim de ano, agora preferem se calar. No lugar de Madonna, será Roberto Carlos.

Printscreen do Twitter de Eduardo Paes no ano passado; essas mensagens foram apagadas e não podem mais ser encontradas em sua página

Questionada sobre a presença da popstar na festa carioca, a assessoria de imprensa do Eduaro Paes disse que não tinha informações e que a responsável pelas atrações do reveillon é a RioTur. Curioso o desconhecimento, já que o próprio prefeito fez o convite a Madonna: “Convidei e ela aceitou”, disse ele no Twitter no dia 13 de Novembro do ano passado.

A empresa de turismo disse que o show agendado não irá mais ocorrer, sem contar o porquê. Especula-se que seja pelas gravações de W.E, o atual projeto da material girl. Para cobrir o desfalque, já está confirmada a apresentação de Roberto Carlos na praia. A RioTur – isentando-se de culpa – diz que foi o prefeito que divulgou que haveria show e ele mesmo já disse que não haverá mais. Os fãs desmentem.

Patrícia Prudente, coordenadora do fã clube oficial MInsane no Brasil, diz que as pessoas ainda a procuram a espera de uma resposta concreta sobre o evento de ano novo, já que tanto a mídia quanto a prefeitura deixaram o assunto cair no esquecimento. “Nada foi respondido oficialmente quanto a isso. Os fãs estão organizando-se e juntando verbas para no momento certo irem aonde ela estiver”, conta.

Para eles, que acompanham todas as novidades de Madonna, o cancelamento do show gratuito cai como um banho de água fria. Patrícia lamenta: “Seria uma oportunidade única para aqueles que não tiveram chance de ver um show dela.” Pelo menos, agora todo mundo já sabe: se quiser ouvir Madonna no reveillon, vai ter que escutar o CD. São tantas emoções…

Por Leonardo Torres
Publicado também no Portal PlusTv

http://portalplustv.com.br/portal/celebridades/prefeitura-nao-divulga-cancelamento-do-show-de-madonna-em-copacabana-e-fas-continuam-com-esperancas-de-ver-a-cantora-de-graca/

Sem mais publicações