Camila Pitanga se desnuda e vira musa

RIO – Uma interpretação capaz de arrancar aplausos efusivos e elogios dos próprios diretores, Beto Brant e Renato Ciasca (mesma dupla de “Cão sem Dono”), que a chamaram de “musa”. Camila Pitanga (“Saneamento Básico, o Filme”) é outra atriz após mergulhar de cabeça na criação de Lavínia, em “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios”, adaptação cinematográfica do livro homônimo de Marçal Aquino. “Me entreguei totalmente a essa personagem”, disse durante um debate sobre o filme no Festival do Rio, na quarta (12/10).

No filme, Camila tem várias cenas de nudez. Mas, a esta altura de sua carreira, isso já não é novidade para a atriz, que se sente à vontade com o próprio corpo. “Acho o sexo fundamental e bonito. Para mim, é algo natural, não encaro como uma dificuldade. Claro que é uma ousadia me expor, mas isso teve um peso menor. Desafio mesmo foi dar conta de Lavínia, essa mulher tão multifacetada, tão dilacerada e desamparada”, ela contou.

Lavínia – seu papel – tem três momentos distintos na história, apresentados de forma não-linear. Primeiro, ela aparece como o caso de um fotógrafo forasteiro (Gustavo Machado, de “O Amor Segundo B. Schianberg”) em uma cidadezinha do Pará, até que se descobre que ela é casada com o pastor da região (Zecarlos Machado, de “O Signo da Cidade”). Depois, o filme revela que foi o marido quem a tirou da prostituição no Rio de Janeiro e, por isso, ela é tão grata a ele, apesar da infidelidade. Por fim, ela aparece debilitada, com problemas mentais.

Para Camila, foi um desafio dar conta de tantas mulheres em uma. Ela pesquisou muito para construir a personagem, buscando referências em livros e filmes. “Tive que buscar uma embocadura para os momentos de loucura dela. Estudei muito. Recolhi material incessantemente, mas sem saber onde desaguá-lo”, contou.

Mas a construção de Lavínia continuou dia após dia, durante as filmagens. Os diretores queriam que os atores tivessem liberdade criativa, improvisando durante as cenas. “Lavínia é multifacetada, com momentos bem distintos. A construí constantemente, me abrindo para a generosidade dos meus colegas de cena e dos diretores, com quem eu já tinha uma cumplicidade. Meu pânico de não conseguir cumprir esse desafio me entusiasmou a me entregar totalmente ao trabalho”, explicou.

As filmagens aconteceram durante cinco semanas e meia no município de Santarém, no Pará, e Camila contou que já se sentia uma nativa. “No início, a produção tinha uma espécie de proteção comigo [porque ela poderia chamar a atenção das pessoas], mas depois mudou. Eu me tornei parte daquela gente”, contou.

Para não deixá-la mentir, os índios Dadá e Dinael, moradores da região e colaboradores do filme, falaram que a atriz se tornou uma líder local e ídolo para toda a comunidade. “Esperamos que você volte, mesmo sem filme, porque se tornou uma referência para todos nós”, convidou Dinael.

Emocionada, a atriz explicou que se formou uma família durante as filmagens. “É normal se apegar aos colegas quando se viaja para trabalhar. Mas dessa vez foi mais. Foi até difícil voltar para casa depois do trabalho. Esse filme representou o encontro de um grupo de artistas, que se emocionava com o que estava fazendo. Não era só amizade de conversinha nos bastidores. Era uma comunhão artística”, revelou.

O lugar escolhido como locação ajudou a criar o espírito evocado por Camila. Santarém tem pouco mais de 290 mil habitantes e 77 km² de área urbana, o que representa, em números, 1/15 da cidade Rio de Janeiro. A produção – formada ao todo por 60 pessoas – levava no máximo 15 minutos se deslocando de um lugar a outro e, assim, podiam gastar duas horas almoçando e conversando.

“Conheci de fato aquele lugar, aquela gente. Tivemos um tempo de preparação muito bom. Ensaiamos em Santarém. No fim, o Beto [Brant] já era conhecido de todo mundo lá. Quando estávamos almoçando, as pessoas passavam cumprimentando-o”, comentou.

Esse clima de intimidade facilitou as cenas eróticas do filme, que não são poucas. Camila aparece nua e em transas com Gustavo Machado várias vezes. “As pessoas falam de pudor, mas isso é o de menos. Eu estava em família, desde a equipe de som até os atores com quem contracenava”, afirmou.

“Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios” faz parte da mostra competitiva da Premiére Brasil no Festival do Rio. A cerimônia de premiação está marcada para o dia 18 de outubro, no Cine Odeon.

Por Leonardo Torres
Publicado na Pipoca Moderna

http://pipocamoderna.com.br/camila-pitanga-se-desnuda-e-vira-musa/

About these ads

Marcado:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: